quarta-feira, dezembro 29, 2004


FÉRIAS!!!!!!!

O editor-chefe deste GG vai tirar merecidas férias a partir da próxima segunda-feira. Para fechar o ano, uma galeria desse misterioso sujeito nos últimos dias de labuta antes do providencial relax. Vá rolando para baixo e você vai ver a sequência toda....

1 - Feliz da vida, ele recebe a notícia de que vai tirar férias

GUITAR GRINDER NEWS NETWORK

2 - Decepcionado, pois ao invés de 30 dias, serão apenas 15...

GUITAR GRINDER NEWS NETWORK

3 - Falando à redação do GG, pedindo empenho nos dias em que ele estará fora

GUITAR GRINDER NEWS NETWORK

4 - Preparando as malas. E aquele cara lá atrás é quem vocês estão pensando. Ele estava dando um rolé pela redação do GG e o editor-chefe ainda precisou atender o mala...


GUITAR GRINDER NEWS NETWORK

5 - Pronto para o descanso, o chefe da bodega se prepara para embarcar num iate com destino ao Sri-Lanka pós-tsunamis. "É que as diárias dos hotéis devem estar bem baratinhas", justificou...

GUITAR GRINDER NEWS NETWORK

segunda-feira, dezembro 27, 2004


É ver para crer. http://musica.terra.com.br/interna/0,,OI445098-EI1267,00.html
GUITAR GRINDER NEWS NETWORK

RETROSPECTIVA PARARÁ DE 2004 (AS COISAS MAIS CHATAS DO ANO - WANDERLEI CORDEIRO DE LIMA)

Assim como todo mundo, eu também fiquei puto quando vi pela primeira vez a imagem do maratonista Wanderlei Cordeiro de Lima sendo agarrado pelo padre irlandês Cornelius Horan quando liderava - com folga - a final da prova mais famosa das Olimpíadas. Mas depois veio um bafafá tão grande, uma comoção lacrimosa como só o brasileiro sabe fazer, e eu comecei a ficar puto com a situação. Nada mais irritantemente brasileiro que o jeito cabisbaixo de Wanderlei, sempre a achar que tudo está de bom tamanho, que é preciso perdoar as pessoas e que o céu é azul. Fosse eu no lugar dele tinha botado pra lascar: dava uma camada de pau no fdp do padre ali mesmo e, tendo perdido a prova, ia abrir um bocão da murrinha para que todo mundo soubesse da minha indignação. Mas não. Para o nosso Jeca Tatu do novo milênio está sempre tudo bem, e quem saiu lucrando na parada toda foi o urso grego, que deu um safanão no padre e virou herói nacional. Ô povinho, esse brasileiro...

GUITAR GRINDER NEWS NETWORK

quarta-feira, dezembro 22, 2004

RETROSPECTIVA PARARÁ DE 2004 (GRANDES PENTELHOS NO ANO – IRUAN)

PS.: a porra do Hello tá de frangagem pro meu lado e não quer postar fotos. Aí vai o link para uma desse grande pentelho de 2004:

noticias.ya.com/ fotos/200402/1307.htm

Esse encheu o saco de todo mundo. Iruan Ergui Wu nasceu em Porto Alegre, filho de uma brasileira e de um marinheiro chinês que vivia no Uruguai (deu a porra...). Poucos anos depois do nascimento, a mãe do garoto morreu de leucemia, e ele passou a ser criado pela avó. Belo dia o pai pediu para levar o garoto até Taiwan, para conhecer a família dele. Mais desgraça: o camarada morreu misteriosamente, enquanto dormia, pouco após chegar a Taiwan. A família dele então resolveu ficar com Iruan. No Brasil iniciou-se uma campanha com um irritante cunho patriótico, como se a volta de Iruan ao Brasil fosse tão importante quanto a soberania nacional na Amazônia. Aí a Justa concedeu para a família brasileira o direito de ter o pentelho de volta. Pensa que a desgraça acabou? Nada disso: ao chegar ao Brasil, Iruan foi presenteado com uma camisa do Grêmio...

terça-feira, dezembro 21, 2004


RETROSPECTIVA PARARÁ DE 2004 (OS GRANDES OTÁRIOS DO ANO - MARCELLO ANTHONY)

Tudo parecia ir às mil maravilhas na vida do galã da balaiagem. Papel de destaque na novela das oito, mulherada impregnando, campanhas publicitárias. Até que o Mané resolve comprar fumo usando cheque. Aí fodeu tudo. Cana, cancelamento de campanhas, coisa e tal. Mas o cara deu a volta por cima. Já está de novo numa novela das oito e já fez várias outras campanhas. Bom sinal de mudança dos tempos, pois até uma famosa cervejaria nacional já associou à imagem um outro Marcelo maconheiro, o D2...

Ps: na foto acima, o Anthony tenta fazer uma média com o editor-chefe do GG, na tentativa de se livrar da honraria. Mas não adianta, Marcello: você é um dos OTÁRIOS DE 2004!!!!!


GUITAR GRINDER NEWS NETWORK

segunda-feira, dezembro 20, 2004


RETROSPECTIVA PARARÁ DE 2004

Chega dessa baboseira dos momentos mais belos do ano que passou. Nada de flores, beijinhos e mensagens de paz e prosperidade. O GG inaugura, a partir de hoje, a RETROSPECTIVA PARARÁ DE 2004, mostrando as canalhices, micos e filhos-da-puta que marcaram os últimos doze meses. Ao final da saga, como é de costume nesse renomado veículo, vocês vão escolher o vencedor...

Para começar com chave de ouro, na categoria dos Filhos-da-puta de 2004, aí vai o piloto americano Dale Hersh, que em janeiro deste ano resolveu dar uma dedada aos policias federais que pediram sua identificação do aeroporto de Sampa. A gaiatice do fdp custou US$ 12,7 mil à American Airlines. Um trocado, é bem verdade, mas valeu pela enquadrada que o gringo levou. DALE ROBBIN HERSH é um dos FILHOS DA PUTA DE 2004!!!!!!
GUITAR GRINDER NEWS NETWORK

sexta-feira, dezembro 17, 2004


PAPO ENTRE DOIS VIEJOS AMIGOS

- Fala, Maradona! Como é que vão as coisas lá em Cuba?
- Amigo Bati, mais ou menos. O clima é bom, as gatas são bacanas. Foda é quando o Fidel começa a falar...
- O que você veio fazer aqui na Argentina?
- Na verdade eu vim só dar um pulinho para dizer alô a todos. Estou indo mesmo para o Brasil...
- Brasil? Não acredito que você vai visitar os macaquitos!!!!
- Não só vou como estou analisando propostas do Grêmio, Guarani, Flamengo, Atlético-MG...
- Mas porque esses times? Estão oferecendo boa grana?
- Não. São as únicas drogas que eu ainda não experimentei...

GUITAR GRINDER NEWS NETWORK

quinta-feira, dezembro 16, 2004


O velho Brown pulou mais uma fogueira. Pai de todos os ladrões da música pop - seu filho mais ilustre é Cumpadre Washington - ele se submeteu a uma cirurgia para retirar um câncer na próstata. Na foto acima o negão se mostra chateado com a quantidade de exames que teve que fazer até realizar a operação. "Vão tomar no cu vocês, caralho! Pra mim já deu! Get up, get on up! I feel good! Ora porra!"
GUITAR GRINDER NEWS NETWORK

quarta-feira, dezembro 15, 2004


Acho uma sacanagem as pessoas dizerem que metal é coisa de veado. Afinal de contas, Elton John, George Michael e Morrissey não são da turma de preto. Mas às vezes fica difícil defender a nação headbanger...
GUITAR GRINDER NEWS NETWORK

terça-feira, dezembro 14, 2004


Que música nosso amigo Wlad está cantando na foto acima? Façam suas apostas:

- Meu pintinho amarelinho
- O tempo não pára
- War Pigs
- Fogo e Paixão
- Anarchy in the UK
- É o Tchan no Havaí

GUITAR GRINDER NEWS NETWORK

segunda-feira, dezembro 13, 2004

"O ÁLCOOL É UMA MERDA"

A frase acima foi cunhada pelo inigualável Marcelo Gomão e tem aplicações recorrentes, visto que a galera não brinca em serviço quando o assunto é copo. Eu diria que roqueiro bêbado também é uma merda. Vejam a situação: você está numa festa de Carnaval (CARNAVAL!), com orquestra de frevo e tudo mais, e eis que uma bandinha de playboys arma os equipamentos e começa a tocar - em ritmo de chacundum - clássicos do cancioneiro baba. Djavan, Jota Quest, Zeca Baleiro, e por aí vai. Revoltados com a inépcia dos sujeitos em questão, três roqueiros biritados resolvem invadir o palco e mostrar como se faz. Já que não tinha baterista entre os presentes (até porque um certo sujeito que frequenta esse espaço desistiu de ir à parada), o playba galego que estava nas baquetas acabou ficando. Aí o roqueiro-guitarrista aluga o playboy para que este último estenda até o máximo o tamanho da correia da guitarra. O roqueiro-baixista toma o instrumento da mão do próprio dono. E o band-leader brada a plenos pulmões um "Agora a gente vai tocar ROCK! De verdade!". E tome "Money (that´s what I want)", "Twist and Shout", "Please Mr Postman", entre outras. Boquiaberta com a performance agressiva - afinal era uma festa de...CARNAVAL - a platéia pede para a bandinha de frevo voltar. É assim mesmo. Roqueiro bêbado é, realmente, uma merda. E três então...

sexta-feira, dezembro 10, 2004


Faz um bom tempo eu li na saudosa revista General um artigo de um camarada sobre algumas das manias dos americanos. Entre elas, a de sair por aí com uma arma em punho matando gente de forma aleatória. Nunca esqueci esse genial período: "o assassinato em massa é um fenômeno tão americano quanto o hamburger".
A nova vítima desse esporte nacional ianque foi a lapa de doido do Dimebag Darrell, um dos melhores guitarristas de metal que eu já ouvi, e sem dúvida o que soava mais pesado. Um maluco subiu no palco em que a nova banda dele - o Damageplan - estava tocando e descarregou a pistola em Darrell e em outras quatro pessoas. Dimebag não foi o primeiro, e muito provavelmente não será o último. Nesse exato momento, em algum lugar dos States, algum jovem atormentado deve estar carregando suas pistolas e submetralhadoras para praticar tiro ao alvo em gente.

GUITAR GRINDER NEWS NETWORK

quinta-feira, dezembro 09, 2004

THE NEAR AND THE DEAR ONE...

Não entendo que poder é esse que o Natal tem de amolecer (ops!) as pessoas. Vejam o exemplo de John Winston Lennon. Esse camarada era uma espécie de sinônimo inapelável de rebeldia e inconformismo contra os valores da época dele. Mas aí chegou um frio mês de dezembro em Nova York, a neve, as pessoas se cumprimentando, toda aquela coisa, e o sujeito escreveu - em parceria com a patroa - "Happy Xmas (War is over)". Sim, esse é o mesmo cara que compôs "Helter Skelter", "Woman is the nigger of the world", "Revolution", e tantas outras canções com temas mais "pesados", por assim dizer.

"Happy Xmas" é muito chata, e eu acho que as pessoas não admitem isso porque se trata de uma canção do John Lennon. A letra é carregada de um irritante moralismo hippie ("The world is so wrong", "Let´s stop all the fight", etc), totalmente oposto à tradicional inquietação de Mr Winston. Essa canção é sinônimo de caretice natalina, e disso você só se toca ao lembrar que a Simone já gravou uma versão em português que, impreterivelmente, nos atormenta nessa época do ano. Ah, e quando você a ouve, na versão original, pelos alto-falantes do Hiper Bompreço, tal qual aconteceu comigo hoje pela manhã.

Mas há controvérsias quanto à criação do clássico baba-natalino. O GG entrevistou pessoas ligadas a John Lennon e descobriu que ele, na verdade, queria escrever uma canção desancando a "instituição" Natal, mas que a Chefona estrilou e o mandou suavizar a letra. "Eu...ops, nós vamos ganhar mais dinheiro se ela for assim, meu amor!". E aí o mané foi na onda. Eis a letra perdida de "What´s Xmas For?", que virou a insuportável "Happy Xmas".

WHAT´S XMAS FOR?

So this is Xmas
And what do I have to do with that?
Another year is over
And I´m still getting fat
And so this is xmas
I´m not having fun
I better beware of someone with a gun

And what´s xmas for?
To say "Happy new year"?
Let´s go get some weed
Let´s go get some beer



terça-feira, dezembro 07, 2004

NÃO ESTOU COM SACO PARA ACHAR UM TÍTULO ESPERTO PARA ESSE POST, ENTÃO VAI ASSIM MESMO...

Quando eu vi o primeiro show do Diversitronica, lá na Ultra2K, achei bem legal e divertido, mas nunca imaginei que eu ia curtir ouvir a banda fora do palco, pois como é público e notório, música eletrônica não é bem minha praia. Mas eis que Miroba resolveu regar a foderosíssima cachaça que tomamos domingo na "Ilha de Caras" (como batizamos a casa que a família dele alugou à beira-mar de Maria Farinha) com o disco dos nossos intrépidos Léo, William e Zé. Sinceramente, achei muito mais legal que naquela noite. Bem tocado e bem gravado como só esses caras sabem fazer. Miroba virou um fã "alucinado", segundo ele próprio. Sabe os nomes das músicas e o escambau. E eu, um pobre roqueiro rabugento, acabei me rendendo. Tanto que, nesse momento, baixo essas admiráveis canções para o PC.

Diversitronica reinou no cd player...até Da Maia chegar com as trocentas pastas de cds da Trashdance. Aí você já imagina como terminou a parada. Mas que eu saiba tá todo mundo vivo...

sexta-feira, dezembro 03, 2004


Esta é a entrada da cidade de Lodi (fala-se "Lodái", e não "Lôdi"). Sim, aquela mesma onde o John Fogerty diz ter ficado preso. Tive a idéia de dar essa cascavilhada depois de ouvir a música homônima do Creendence Clearwater Revival - uma das minhas preferidas da banda e a que, junto a "Torn And Frayed", do Stones, melhor retrata o lado decadente da vida na estrada.
Lodi é uma cidadezinha de 55 mil habitantes, e que fica a 90 milhas (quanto é isso em quilômetros?) de San Francisco. Localizada às margens do Rio Sacramento, Lodi é um pedaço de quietude encravado na sempre agitada e cosmopolita Califórnia. A cidade, obviamente, só é conhecida no mundo graças à canção do CCR, lançada em 1969 no foderosíssimo "Green River". E o mais engraçado é ver como a população lida com isso. Num dos jornais locais, o LodiNews, encontrei um artigo do prefeito, onde ele relata as inúmeras belezas do lugar e diz que, "se você ficar preso em Lodi, vai ver que é o lugar perfeito para isso". Já outro portal, de uma associação comunitária, desanca Fogerty e seus asseclas, falando que "graças a Deus eles não gostaram de ficar presos em Lodi, por isso não existem hippies sujos e cabeludos vivendo aqui hoje".
Em um grande portal jornalístico californiano encontrei uma matéria engraçada, que fala como os apreciadores de vinho dos grandes centros da Califórnia estão fazendo de Lodi uma espécie de ponto de referência. Mas não tem jeito, o repórter começa o texto dizendo que "quando se ouve a palavra 'Lodi' vem logo à cabeça a canção do Creedence, que pinta a cidade como atrasada e pouco agradável". Uma coisa é certa: João Foguete não pisa mais lá nem a pau. Periga ele ficar preso de uma vez...sete palmos embaixo do chão.


LODI (John C. Fogerty)

Just about a year ago, I set out on the road
Seeking my fame and fortune and looking for a pot of gold
Things got bad, things got worse, I guess you know the tune
Oh, Lord, I´m stuck in Lodi again

Rode in on a Greyhound, I´ll be walking out if I go
I was just passing through, must be seven months or more
I ran out of time and money, looks like they took my friends
Oh, Lord, I´m stuck in Lodi again

A man from a magazine said I was on my way
Somewhere I lost connections and ran out of songs to play
I came into town, a one-night stand, and it looks like my plans feel through
Oh, Lord, I´m stuck in Lodi again

If I only had a dollar for every song I´ve sung
And every time I had to play while people sat there drunk
You know I´d catch the next train back to where I live
Oh, Lord, I´m stuck in Lodi again


GUITAR GRINDER NEWS NETWORK

Definitivamente, saxofone e música pop não combinam. Esse instrumento, bastante útil no jazz, se torna uma ferramenta do capeta a azucrinar nosso juízo, sempre que incorre por outras searas. Não é à toa que alguns dos maiores clássicos do "enche-culhão-e-ovários" têm linhas tocadas nesse brinquedinho do Demo, como "Your Latest Trick" (Dire Straits), "Careless Whisper" (George Michael), o tema de Blade Runner, entre outras. Sem falar que alguns dos maiores pentelhos do universo são saxofonistas, como Kenny G, Leo Gandelman e Clarence Clemons (foto acima).
Aí você vem e me fala do Morphine, mas esse é um caso à parte. No grupo de Mark Sandman o sax era usado como um instrumento de proa, sempre compondo com o resto da banda, e não como um mero reprodutor de vinhetas assombrosas. O GG então catou seus arquivos e vem para você com algumas músicas onde o saxofone é usado de forma palatável.

1 - "Mrs Vandebilt" (Wings)
2 - "Long as I can see the light" (Creedence)
3 - "Thunder Road" (Bruce Springsteen) - é o pentelho do Clarence Clemons, mas a intervenção dele nessa música é bem bacana.
4 - "Rocks Off", e "Loving Cup" (Stones), que têm os melhores arranjos de metais para rock já feitos

Ps.: Atenção William Paiva, Leo Gandelman é ou não é um dos GALDMDM????


GUITAR GRINDER NEWS NETWORK

quinta-feira, dezembro 02, 2004

CULTURE CLUB

Ontem eu ouvi no rádio uma das mais insuportáveis canções compostas desde sempre: "The Logical Song", do Supertramp. Sinceramente, essa música me deixa revoltado de tão chata que é. Ela me remete aos meus anos de Cultura Inglesa, quando os professores, vez por outra, tacavam umas músicas lá no mini-system para a gente acompanhar a letra e preencher os espaços vazios. "The Logical Song" é um clássico do repertório culturesco. Lembro bem do professor que me torturava com essa pérola do cancioneiro britânico e ele se debulhava em êxtase ao ouvir aquela desgraça.
Sintam o drama das canções que embalavam as aulas-fuleiragem: "Wuthering Heights" (Kate Bush), "Patience" (GN´R), "Forever Young" (Alphaville), por aí. Eu e Dé, um brother da época de colégio e que estudava na mesma turma que eu também na Cultura, resolvemos dar um basta naquela situação. Quando fomos escalados para fazer um trabalho cujo tema era livre, resolvemos nos vingar de todo aquele establishment musical careta. Bancamos os professores e tacamos "I Got The Blues", dos Stones, para a galera ouvir e preencher os espaços vazios. Ainda lembro da cara de espanto do povo da sala. O professor - era outro, mais legal, e não o de "Logical Song" - curtiu a música e nos pediu o disco para gravá-la. Menos mal. O mundo não poderia estar tão perdido como nós pensávamos que estivesse...

quarta-feira, dezembro 01, 2004


Nos idos de 94/95, lembro que fomos a um show de Bezerra da Silva no Pagode do Edmilson, em Casa Amarela. A gangue era formada por mim, Zé, Cristiano "Ameba", Alexandre "Arnalda" e Rodolfo "Grandes Enigmas do Universo". Para se ter uma idéia do naipe do evento, na bilheteria um cartaz estampava um emblemático "mulheres e militares não pagam". Lá dentro um calor do cacete, mas a cerva era bem gelada. Nesse dia tivemos o privilégio de ver o mestre Bezerra tocar com a banda de Belo Xis (deu uma sensacional ralhada com o cavaquinista, por achar que ele não estava tocando no Mi Bemol pedido), e vimos um perneta sambando. É sério. Uma noite para a História.
Já em 98/99 houve um novo show do mesmíssimo Bezerra da Silva nas terras de Nassau. Local: Centro Luiz Freire, a Meca dos descolados daquela época. Mas algo estava diferente. Nada de suburbanos, militares ou pernetas. Toda aquela gente bonita que se vê nas festas alternativas do Recife estava lá, maravilhada com a "novidade". Lembro que os jornais ressaltaram a "descoberta" de Bezerra da Silva. É sério. Só se foi para quem nunca caçou bons discos e nunca pisou no Pagode do Edmilson.
De lá pra cá, vocês sabem, o samba virou referência obrigatória para quem quer fazer música "brasileira". Encheu de dinheiro o rabo de muita gente escrota. E o pobre Bezerra da Silva continua internado, em estado grave e sem plano de saúde. É sério.

GUITAR GRINDER NEWS NETWORK